segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Bolinhas de carne perfeitas com uma cerveja gelada!


Esta receita eu aprendi no livro de uma chef americana muito bacana chamada Anne Burrell, presente de uma amiga muito querida.
Mas alterei um pouquinho as quantidades para o meu gosto. Espero que seja o de vocês também.


São bolinhas de três tipos diferentes de carne: vitela, lombo de porco, e a carne que você costuma comprar moída (pode ser chã ou patinho).
O resultado dessa mistura é que os bolinhos tem um sabor delicado e surpreendente!
A receita é bem fácil. O trabalho maior é enrolar as bolinhas.

Eu prefiro fazê-las pequenas para comer como aperitivo. Mas se você fizer bolinhas um pouco maiores, pode servir com um molho de tomate mais picante como prato principal.

Ao que interessa:

200g de carne moída (chã ou patinho)
200g de vitela moída
200g de lombo de porco moído
3 colheres de sopa de alecrim picado
3 ovos
¾ de xícara de queijo parmesão ralado na hora
½ xícara de farinha de rosca
2 cebolas picadas
3 dentes de alho picados
2 xícaras de caldo de galinha
azeite
sal e pimenta-do-reino

Ponha azeite numa panela grande, deixe aquecer e refogue a cebola. Tempere com sal e pimenta-do-reino e deixe cozinhar em fogo baixo com a panela tampada durante 8 a 10 minutos.
Acrescente o alho e deixe cozinhar por mais 2 ou 3 minutos. Retire do fogo e deixe esfriar.

Misture as três carnes, o alecrim, o parmesão, a farinha de rosca, e os ovos. Tempere com sal e pimenta-do-reino. Junte a cebola e o alho refogados já frios. Se a massa estiver muito pegajosa, você pode acrescentar 1 ou 2 colheres de sopa de água.




Antes de enrolar a massa, faça uma bolinha e doure na frigideira com um pouco de azeite. Prove! Se estiver com o tempero correto, vá em frente, senão, a hora de corrigir é agora!

Enrole todas as bolinhas.
Esquente o caldo de galinha.


Ponha um pouco de óleo na frigideira e vá dourando as bolinhas aos poucos (não lote a frigideira para que elas não grudem umas nas outras).


Quando elas estiverem douradas dos dois lados, despeje um pouquinho do caldo de galinha. O suficiente para que o vapor ajude no cozimento. Assim, elas não precisam ficar dourando muito tempo para cozinhar por dentro e não ressecam.


Um conselho: não doure as bolinhas com antecedência. Por mais que dê trabalho, deixe para fazer na hora de servir! Elas ficam muito mais gostosas.
Sirva com mostarda, molho de tomate picante, molho de pimenta... o que você preferir. Uma cerveja beeeem gelada é a companhia perfeita!




Bolo de chocolate melhor do mundo!


Esta receita, devo dizer, é um sucesso total!
Primeiro pq é facílima. Segundo, porque é deliciosa.




Como o modo de fazer é muito simples, é um programão para compartilhar com as crianças, que vão amar participar do preparo e depois devorar o bolo feito por elas.
A minha principal dica é: USE FORMA PLANA.
Domingo passado fui fazer este bolo para sobremesa de um almoço de família. Comprei uma forma daquelas com furo no meio, toda em gomos, linda!
Bati a massa, pus no forno pouco antes dos convidados chegarem e de repente... aquele cheiro de queimado em casa!
Abri o forno em pânico: o bolo tinha entrado em erupção!
Um desastre. A massa ferveu e cesceu mesmo tempo fazendo tudo transbordar. Era bolo para todo lado! O forno virou uma rocha vulcânica de chocolate queimado.  (não tirei foto porque no desespero nem lembrei!)
Mal tinha me recuperado do susto, quando a campainha tocou. Os convidados estavam chegando e eu ainda nem tinha chamado a Defesa Civil para salvar meu forno!
A boa notícia é  que não desisti!!
Com a ajuda da bravíssima Lili, limpamos tudo e recomecei do zero. Na forma plana, claro. Assim a massa assa mais rápido e não resolve pular para todo lado dentro do seu forno.

Vamos aos ingredientes:

2 copos de requeijão de farinha de trigo
2 copos de requeijão de açúcar
2 copos de requeijão de Nescau
2 copos de requeijão de leite fervido ainda morno
½ copo de requeijão de óleo de cozinha
2 ovos
1 colher de sopa de fermento
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de sal

Preparo:

Bata tudo no liquidificador. Só isso! J
Mas uma dica: Eu bato primeiro os ovos, o óleo e o leite.
Misturo todo o resto numa tijela e vou colocando aos poucos no liquidificador e batendo. Assim fica mais fácil conseguir uma mistura homogênea – senão, fica muito pesado e o liquidificador não consegue bater direito.
Peque a sua forma PLANA, unte com manteiga e derrame a massa. Ela é bem líquida, não se assuste!
Leve ao forno baixo, pré-aquecido, por 30 minutos.

Você pode decorar o bolo com açúcar de confeiteiro e servir com morangos e creme de leite fresco, ou sorvete de creme, ou chantilly... Ou simplesmente puro. É sensacional!

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Polenta frita com alecrim

Sou de uma família de gulosos. Somos todos leigos em culinária, mas gostar de comer bem também é uma arte! Bem, a ousadia de me arriscar no fogão, herdei do meu pai. Cresci vendo ele preparar molhos para massas, pastinhas, ovos mexidos sensacionais, sem o menor medo de errar, apesar de alguns acidentes e muitas camisas manchadas de gordura.

Foi com ele que aprendi a gostar de delicatessens quando esse nome ainda nem existia no nosso vocabulário. Era a "loja de frios" Dibraco que fornecia alguns dos ingredientes e iguarias que iam fazer a alegria do nosso fim-de-semana: grossas fatias de queijo embrulhadas em papel prateado, salame leonês (ou leona, como chamo até hoje), salsichas Santo Amaro a granel... 

Bem, na sexta-feira passada meu pai disparou o convite, que trazia outro de brinde: "Vou fazer uma rabada no domingo. Você faz a polenta?"

Quer programa melhor do que esse??

Foi num dos meus livros preferidos que descobri esta receita de polenta que tenho feito com certa facilidade e sucesso. Portanto, vai a dica: Jamie Oliver, A Itália de Jamie.






1,7 litros de água
250g farinha de polenta (e mais um pouco para polvilhar)
1 fatia de 1cm de manteiga
1 bom punhado de queijo parmesão ralado na hora
sal e pimenta do reino para ralar na hora também
1 molho de alecrim.

Primeiro devo dizer que nunca me dei bem com polenta instantânea. Principalmente nesta receita de polenta frita. Ela cozinha bem rápido, é verdade, mas tenho a impressão de que ela continua absorvendo líquido depois de cozida - o óleo, inclusive. Todas as vezes em que fiz com farinha instantânea, os cubinhos de polenta ficaram pesados e gordurosos. Não sei se a culpa foi da cozinheira ou do ingrediente. Na dúvida, na minha cozinha ela não entra mais.

Antes de começar, prepare uma superfície de trabalho para despejar a polenta. Pode ser uma mesa, uma bancada, ou até uma tábua grande.
Limpe bem, derrame algumas gotas de óleo de cozinha e espalhe com um papel toalha para tirar o excesso. Depois disso, mãos à obra.

Ponha a água para esquentar com sal.
Não é preciso esperar a fervura para despejar a farinha, mas vá colocando devagar e mexendo sempre para não embolar.
Quando começar a ferver, abaixe o fogo. As bolhas de polenta costumam pular da panela e queimam pra valer. Deixe a panela semi-tampada e mexa com vigor a cada 3 minutos.
Este processo todo leva de 20 a 30 minutos. O importante é não deixar a polenta grudar no fundo da panela.



Quando estiver no ponto de um purê denso, desligue o fogo, corrija o sal, acrescente a pimenta, a manteiga, o parmesão ralado e misture bem.













Despeje com cuidado a polenta sobre a superfície que você preparou.
Deixe formar uma camada de aproximadamente 2,5cm, espalhando com uma espátula e espere esfriar (o que leva mais uns 20 minutos).









Corte a polenta em cubos, polvilhe a farinha de polenta que sobrou. Vire os cubinhos e faça o mesmo do outro lado.




Ponha óleo numa frigideira larga para esquentar bastante.
Vá fritando os cubos de polenta sem que eles encostem uns nos outros para não grudarem.

Quando estiverem no ponto, ponha um galhinho de alecrim na frigideira e deixe fritar por mais 30 segundos.



Retire os cubinhos e o alecrim, ponha para escorrer em papel absorvente, tempere com sal (se tiver flor-de-sal, melhor ainda), desfolhe o alecrim sobre a polenta e, se quiser, polvilhe um pouquinho de parmesão.

A foto dela pronta fico devendo, mas coloco a do livro do Jamie Oliver para vocês terem uma ideia.

A fome - e a gula, devo confessar - eram grandes demais para lembrar de tirar a foto. 

Em tempo, a rabada estava um escândalo!








terça-feira, 9 de outubro de 2012

Rosbife com batatas ao forno


Andei sem tempo de ir para a cozinha e já estava sentindo falta.
Foi o pedido de um amigo que me fez correr de volta para as panelas.
"Ana Luiza, posta uma receita de rosbife no blog! Eu não sei fazer...".
Bem... nem eu sabia.
E o pior, é que o convidado desse domingo era um chef de cozinha acompanhado da mulher que também entende tudo do assunto.
Mas adorei o desafio e lá fui eu pesquisar.
Fui ouvir os conselhos da minha guru Maria (uma espécie de Larrouse Gastronomique viva!) que sempre me tira as dúvidas.
Então, vamos à receita:

uma peça de filé mignon (usei uma peça de 1,2kg)
1/2 cebola picada
3 dentes de alho amassados
1 taça de vinho tinto (ou branco!)
sal e pimenta-do-reino
1 colher de sopa de manteiga 
1 colher de sopa de azeite
2 colheres de sopa de óleo

Primeiro, tempere a carne com o sal e a pimenta.
Depois esfreque-a com o alho e a cebola, para o sabor entrar bem.
Regue com o vinho e deixe numa tigela coberta com papel filme de um dia para o outro na geladeira.
No dia seguinte, tire a carne do tempero, raspando o excesso com uma faca e amarre-a bem, para que não se desmanche na panela.





Depois disso pode deixá-la no tempero novamente até a hora do preparo (30 minutos antes de servir).
Quando chegar a hora, escorra e retire todo o tempero novamente, e unte a carne toda com a manteiga e o azeite.
Numa panela grande e bem grossa, de preferência, ponha as duas colheres de óleo e deixe esquentar bem.
Coloque a carne e deixe dourar de todos os lados, girando de vez em quando.
Quanto estiver bem dourada, dê um corte com a faca e veja se está no ponto. Lembre-se que rosbife tem que ficar bem vermelhinho por dentro!
Aí então, retire a carne da panela, ponha um pedaço de manteiga na panela (se quiser), o tempero que foi usado na carne, e um pouco dágua para fazer um molho.
Muita gente gosta de por uma colher de chá de farinha de trigo para engrossar o caldo, eu não pus e ficou ótimo!
Corte e retire o barbante da carne, fatie, regue com o molho e sirva!!

Para acompanhar, batatas no forno: 


8 batatas descascadas e fatiadas bem fininhas (você pode usar a lâmina larga do ralador, se quiser)
sal e pimenta-do-reino
manteiga para untar a forma
creme de leite fresco
leite (só se o creme de leite for grosso demais)
2 dentes de alho, descascados e cortados na metade
parmesão ralado na hora

Unte a forma com manteiga e vá arrumando as batatas em camadas e temperando cada uma (camada, é claro) com o sal e a pimenta.






Teste o seu creme de leite. Se ele for cremoso demais, misture com um poquinho de elite, até ele ficar líquido, mas não ralo...
Derrame o creme de leite sobre as batatas sem deixar que elas fiquem afogadas. A última camada deve aparecer. Ponha uma metade de dente de alho em cada canto do pirex.
Polvilhe parmesão e leve ao forno pré-aquecido. Em mais ou menos 15 minutos, ela deve estar boa. Só lembre de por o forno em temperatura média, senão as batatas vão ficar douradas em cima e cruas embaixo.

Você pode servir com uma salada. Esta da foto foi de rúcula, mache, abacate e vinagrete de tomate e cebola roxa... Mas esta fica para outro post!

Meu primeiro rosbife recebeu muitos elogios. Esse, eu não esqueço!






domingo, 2 de setembro de 2012

Bife de mignon a milanesa com salada de batatas


Domingo é um ótimo dia para cozinhar. Só tem um problema: se você dormiu tarde (e por isso, provavelmente, acordou tarde), suas opções já diminuem bastante. Não há tempo para as carnes pegarem tempero ou descongelarem... E fica difícil encontrar bons legumes, verduras e ervas nos supermercados. 
O mais seguro é uma receita simples, caseira e com ingredientes fáceis.
Bife a milanesa com salada de batata!!
Grande ideia.
E, claro, uma gelada para acompanhar!




8 batatas descascadas e cortadas em pedaços grandes
3 talos de aipo picados bem pequenos
3 talos bem fininhos de alho poró (os orgânicos costumam ser mais delicados e menores)
1 cebola roxa pequena picada em pedaços bem pequenos
1 maçã picada em cubinhos (deixe os cubinhos de maçã de mocho numa cumbuca com água e algumas gotas de limão para que não escureçam)
1 ramo de salsa bem picada
raspas da casca de um limão siciliano
suco de limão siciliano
pimenta rosa
sal e pimenta-do-reino
azeite
maionese light
creme de leite fresco

6 bifes de mignon bem batidos
farinha de rosca
4 ovos
óleo para fritar





Cozinhe a batata no vapor. Assim ela não fica empapada. Mas cuidado para não passar do ponto! (Já aconteceu comigo, infelizmente L) E salada de batata, com batata mole, fica horrível. Se for cozinhar as ditas cujas na água, aproveite para por sal na água e.... fique de olho!!
Quando a batata estiver no ponto, escorra, dê um banho de água fria e deixe esfriar.
Numa cumbuca, misture uma colher de maionese, 2 de creme de leite fresco, regue com azeite, um pouco de suco de limão, sal e pimenta-do-reino e bata bem.
Gosto de misturar o creme de leite, que é mais leve, com a maionese. Mas tem que ser o fresco, e não o de lata! Na falta dele, você pode substituir por iogurte natural daquele sem frutas e sem adoçante.
Com a batata fria, misture com a maionese.





Acrescente a cebola, o aipo, o alho poró, a maçã, a salsa, as raspas de limão e misture bem, virando as batatas devagar para não amassá-las.
Acerte o azeite, o suco de limão, o sal e a pimenta-do-reino.
Acrescente a pimenta rosa e e deixe na geladeira.






















Bata bem o filé mignon com um martelo de carne, tempere com sal e pimenta-do-reino e deixe descansar (vc pode fazer isso enquanto as batatas estão esfriando).
Numa cumbuca, bata os quatro ovos com um pouco de sal.
Passe o bife primeiro na farinha de rosca, depois na mistura de ovo e volte a passá-lo na farinha.
(Se vc passar o bife primeiro no ovo, a casquinha vai ficar se soltando da carne!)
Esquente 2 dedos de óleo numa frigideira grande e funda.
Frite um bife de cada vez e escorra bem a gordura.


Lembre-se de servir com o azeite, o limão, o sal e a pimenta-do-reino a mão!!
Cada um pode acertar o tempero para o seu paladar!
















terça-feira, 28 de agosto de 2012

Salada de tomate, cogumelo Paris e camarão


Camarões tem um sabor e uma consistência incríveis. Mas é preciso prepará-los direito.
Como com qualquer carne, especialmente as do mar, o ideal é que o camarão seja feito  pouco antes de servir.
Mas NEM PENSE em temperar com sal antes da hora!! O sal desidrata o camarão...e eles ficam borrachudos e horríveis.

Portanto, limpe os camarões (fundamental tirar aquela tripa que responde pelo nome de intestino), lave-os e deixe-os esperando a hora certa dentro da geladeira.

Aos ingredientes:

-       2 tomates maduros e firmes, cortados em 4, sem as sementes.
-       1 cebola roxa
-       6 a 10 (dependendo do tamanho) cogumelos Paris
-       camarões (6 a 8 por pessoa)
-       aneto
-       alface crespa
-       azeite
-       mostarda de Dijon
-       vinagre de vinho tinto (um bom vinagre!)
-       sal e pimenta-do-reino.




Pra começar corte o tomate em fatias finas, formando “tirinhas”de tomate.
Corte a cebola roxa em 4 e também fatie o mais fino que conseguir.
Lave bem os cogumelos, tire o caule e corte em fatias finas.
Ponha todos esses ingredientes numa cumbuca com algumas folhinhas de aneto e misture bem.



Num outro potinho ponha 3 colheres de sopa de azeite, 3 colheres de sopa de vinagre e 1 colher de chá de mostarda e bata bem.
Despeje este molho na cumbuca onde estão os outros ingredientes, misture, tempere com sal e pimenta-do-reino, tampe e deixe na geladeira para pegar sabor.
Enrole as folhas de alface e corte bem fininhas, como se fosse fazer uma couve à mineira.
Quase na hora de servir, ponha uma frigideira grande no fogo com um fio de azeite e deixe esquentar bastante.
Ponha os camarões, um a um, na frigideira! Eles não devem ficar sobrepostos: colocar muitos camarões numa superfície pequena faz com que eles soltem água e cozinhem em vez de dourar e aí acabam passando do ponto e ficam duros.
Portanto, a frigideira tem que ficar arrumadinha! Neste momento você põe o sal e a pimenta-do-reino.
Quando eles estiverem dourados, vire-os e ponha mais um pouquinho de sal e pimenta do outro lado. Assim que dourarem, estão prontos.

Para montar o prato:
Eu gosto de fazer um círculo com a alface cortadinha (seja no prato individual ou numa travessa). Coloco a mistura de tomates, cogumelos e cebola no centro. E em volta os camarões. Não esqueca de regar o alface com azeite e sal para não ficar sem gosto!!



Hmm...